logo_color_since-01 (1).png

TREINAMENTO PARA DEFESA PESSOAL

O cão é utilizado como uma ferramenta de defesa, treinado para defender os integrantes da família em situações diversas. Utilizamos a agressividade natural dos cães a nosso favor. O cão deve andar normalmente com o seu proprietário e com um comando de "liga" ele deve entrar em estado de alerta.

Um cão de defesa pessoal deve ser muito bem sociabilidade, para que tenha condições de acompanhar seu tutor em diversos lugares, como parques, passeios de carro, shoppings centers, etc.  O cão é treinado para reconhecer situações ameaçadoras e um ataque desse cão somente deve ocorrer sob comando em situações de risco, ele deve ter um comportamento tranquilo e controlado em meio as pessoas e outros animais, bem como na presença de distrações e barulhos diferentes

O cachorro de defesa pessoal tem um papel de guarda preventiva também, podendo acompanhar em passeios de família, no uso de um banco 24 horas, em saídas de carro, etc. Assim, uma das funções muito importantes do cão é a da intimidação, já que muitas vezes a basta sua presença para intimidar o sujeito mal intencionado. É a lei do predador e da presa! Todo predador escolhe a presa mais fácil, assim, dificilmente o sujeito irá escolher como vítima aquela pessoa que está acompanhada de um cachorro.

A grande vantagem de um cão de defesa pessoal treinado, é a versatilidade desse animal, pois, antes de tudo, ele é um cão de companhia para toda a família, que você pode brincar, passear, levar para todos os lugares onde são permitidos animais e, ao mesmo tempo, ter a segurança de estar protegido caso ocorra alguma situação hostil. 

Requisitos para o treino de guarda:

O cão de guarda pessoal deve ter tido uma ótima sociabilização, para que possa frequentar os mais variados ambientes acompanhado de seu tutor. Também é importante que tenha uma boa base de adestramento, no mínimo a obediência básica. E também é importante que o tutor tenha um bom controle do cão e um vínculo estreito.

TREINAMENTO PARA GUARDA TERRITORIAL

O cão treinado para guarda territorial é ensinado a trabalhar e agir praticamente sozinho, deve estar atento e intimidar qualquer pessoa que ameace invadir o seu território.

O treinamento de cães para Guarda Territorial tem como objetivo deixar o cão preparado para agir em situações de ameaça de invasão do seu território, e tenha condições de agir tanto sob comando de seus tutores quanto tenha capacidade de distinguir diferentes situações e possa inclusive agir sozinho na ausência de pessoas da família. Mas até que se chegue nesse ponto é necessário que cumpra algumas etapas, vejamos:

1 - O cão precisa ser muito bem sociabilizado. A ideia que se tinha no passado de deixar o cachorro preso para se tornar bravo está completamente ultrapassada. Deixando o cão preso sem contato visual com pessoas, com a rotina da casa e com todo o ambiente que o cerca, e sem passeios na rua, só o que vamos conseguir é um cão completamente inseguro e com medo de tudo e de todos que muito provavelmente não fará uma boa guarda.

Cães de guarda devem ser muito sociabilizados, devem ter contato com coisas e com barulhos de tudo quanto é tipo. Devem receber muito carinho de toda a família que reside e frequenta a casa onde ele vive. O único ponto que devemos observar é a relação do cão com estranhos. Essa interação deve ser muito bem administrada e orientada pelo treinador para que o cão não acostume a receber carinho de qualquer estranho e assim acabe não executando seu papel numa situação em que deveria agir defendendo seu território.

2 - o cão deve possuir ao menos o treinamento de obediência básica, pois no treinamento de guarda é necessário que o cão já conheça os comandos básicos, que saiba respeitar seu tutor, que tenha limites e que conheça as regras da casa, para que tenha condições de aprender novos comandos e seja desafiado experimentando situações novas. Um cão sem treinamento e sem controle não terá condições de entender e executar de maneira correta comandos de defesa.

3 - a personalidade do cão conta muito. Cães mais dominantes geralmente já possuem um instinto de defesa mais aguçado naturalmente. Cães neutros também podem ser direcionados para a guarda, porém cães inseguros já possuem uma resistência um pouco maior, dependendo do grau de insegurança. Um cão pouco inseguro pode agir para se defender motivado pelo medo, mas se o grau de insegurança é muito alto normalmente o cão não consegue ter muita reação em uma situação hostil.

Portanto o temperamento e personalidade do cão são fatores bem importantes a serem considerados na hora de se optar pelo treinamento de guarda.

4 - o momento certo para se iniciar um trabalho de guarda é o mais cedo possível. Assim que finalizado o treinamento de obediência básica, por volta dos 4 a 8 meses de idade o cão já está completamente pronto para iniciar o trabalho de guarda. Quanto antes, melhor o aprendizado, e mais fácil será o direcionamento do cão. Entretanto, cães de mais idade também podem ser treinados, desde que tenham o treinamento de obediência básica, boa saúde e um temperamento e personalidade compatíveis.

O treinamento de guarda territorial é feito em média em 6 a 8 aulas presenciais, com duração total de 1 a 2 meses.

Após o término do treinamento é indicado que o cão continue fazendo treinos periódicos.